Conferencia: Metering, Billing/CRM Latin America
Local: Sao Paulo, Brazil
Palestrante: Sindo Vasquez Dias
Artigo: Presented by Sindo Vasquez Dias at Metering, Billing/CRM Latin America

As mudanças oriundas da regulamentação do setor de energia elétrica trouxeram às empresas concessionárias o desafio de trabalhar em um ambiente fortemente marcado pela competição e pela mudança no perfil de seus clientes, cada vez mais exigentes, não somente por custos menores como também pelo nível de prestação dos serviços. A adequação das empresas a este novo cenário passa por uma mudança de paradigma, tanto nos seus processos de negócio de comercialização, distribuição e transmissão, como na evolução de seus sistemas computacionais de suporte a operação e suporte aos negócios.

De acordo com esta realidade, torna-se evidente para a maioria das empresas concessionárias a necessidade de convivência entre os sistemas desenvolvidos nas últimas décadas e os desenvolvidos recentemente ou em desenvolvimento. Se por um lado os sistemas em produção demonstram um alto grau de estabilidade funcional, por outro lado apresentam dificuldades de evolução e manutenção, por terem sido desenvolvidos utilizando tecnologias atualmente obsoletas ou em desuso. Esses sistemas são ativos importantíssimos de uma empresa, pois garantem não apenas a sua continuidade operacional, como também a sua saúde financeira. 

Considerando o alto custo e a complexidade de evolução tecnológica desses sistemas, as empresas enfrentam o desafio de definir uma estratégia de investimentos gradativos, de forma que os sistemas sejam evoluídos e, ao mesmo tempo, sejam integrados aos já existentes. Nesse sentido, o sucesso dessa estratégia depende basicamente da definição de uma arquitetura de software que apresente, entre outras, as seguintes características:  uso de padrões abertos que ofereçam suporte à execução transparente dos processos de negócio; independência de plataforma hardware de execução; facilidade de integração com sistemas legados; escalabilidade; facilidade de manutenção e adequação aos processos inerentes a cada empresa de maneira ágil e segura.

Adicionalmente, é de suma importância que o desenvolvimento seja baseado em componentes de software reutilizáveis e que possam ser disponibilizados como serviços, permitindo que as empresas apliquem os conceitos da Arquitetura Orientada a Serviços (SOA). SOA pode ser considerada, em um primeiro estágio, como uma abordagem arquitetural para integrar sistemas autônomos e heterogêneos, com o objetivo de promover a agilidade dos processos de negócio e a redução de custo de integração, através da interoperabilidade, reutilização e compartilhamento de serviços. O uso contínuo da arquitetura SOA permitirá que a empresa produza um vocabulário comum para que os grupos de negócio e TI comecem a caminhar na mesma direção, obtendo a maturidade necessária para a criação de um ambiente colaborativo focado nos processos de negócio.

Este trabalho apresenta a utilização das mais recentes tecnologias, padrões e ferramentas de desenvolvimento de software, tais como plataforma JavaEE, interface de interação com usuários através das tecnologias Web, desenvolvimento baseado em camadas usando modelo Model-View-Controller (MVC), Web Services e SOA, as quais atendem as características arquiteturais desejáveis para o desenvolvimento de software para gestão comercial do setor de energia elétrica.

Estes conceitos inovadores foram aplicados no desenvolvimento do produto CPqD Energia, uma solução de gestão comercial integrada concebida pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (CPqD) em parceria com a concessionária CELG – Companhia Energética de Goiás. É uma solução integrada dos sistemas de gestão comercial – Customer Care e Billing – trazendo em seu escopo o repensar das operações do setor de energia elétrica. Com os resultados obtidos, pode-se afirmar que a utilização de padrões abertos, tais como desenvolvimento Web e JavaEE aliados à componentização e a aplicação de SOA formam a base de desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de gestão comercial.